Área de Associados


X    fechar
Webmail


X    fechar
Webmail


X    fechar
Extensões de Base
X    fechar


Notícias

06 de Julho de 2012

Crise se agrava no RS

Com prejuízo na suinocultura, município decreta emergência e indústrias tentam frear custos
Com prejuízo estimado em R$ 10 milhões, Vista Gaúcha, na região Noroeste, foi o primeiro município do Estado a decretar situação de emergência motivado pela crise na suinocultura. Além do embargo da Rússia e o boicote argentino, a seca agravou a situação ao causar a elevação dos preços de milho e da soja, principais insumos da atividade. Ontem (5), outras 15 cidades do Alto Uruguai sinalizaram que adotarão a mesma estratégia nos próximos dias. Segundo o prefeito de Vista Gaúcha, Claudemir Locatelli, o comércio já amarga queda. E a redução no plantel de animais, resultado do abandono da atividade ou do corte de custo dos 122 produtores, prejudica ainda a pecuária leiteira. A carência de esterco para adubação das pastagens fez a produção diária de 1,1 milhão de litros de leite recuar em 15%. "É um pedido de socorro. Esperamos sensibilizar os governos estadual e federal", afirmou o prefeito, ressaltando que a atividade responde por 60% da receita.
De acordo com o presidente da Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), Valdecir Folador, o decreto de emergência é um instrumento que pode auxiliar na busca por soluções, além de expor a "situação dramática" vivida pelo setor no país. Santa Catarina puxou o movimento no país. Ontem, 55 municípios catarinenses já haviam decretado situação de emergência. A meta é chegar a 80 hoje. A Associação Catarinense dos Criadores de Suínos calcula prejuízo de R$ 1 bilhão, considerando 18 meses de crise e o custo, que saltou 41,4% no período, para R$ 58,00 por animal.
No Rio Grande do Sul, onde o setor emprega quase 15 mil pessoas e gera 140 mil postos indiretos, as indústrias começam a adotar medidas para reduzir custos, como a aceleração no descarte de matrizes e a redução no peso médio de abate, hoje de 89 quilos por carcaça. Medidas que devem resultar em queda no abate e alojamento a partir do ano que vem. "Todo esse impacto está sendo suportado pela indústria, que trabalha no vermelho", disse o diretor-executivo do Sindicato da Indústria de Produtos Suínos do Estado (Sips), Rogério Kerber. O executivo garantiu que demissões estão descartadas e que o preço pago ao integrado se mantem estável. Conforme o dirigente, as medidas defendidas pelo segmento são a venda de milho subsidiado e a desoneração da folha de pagamento.
O Ministério da Agricultura informou que avalia a prorrogação de custeio e investimento, dentre as medidas para reestruturação do segmento. A Pasta esclareceu ainda que as reuniões com o Ministério da Fazenda têm sido diárias. Semana que vem haverá protestos em Brasília.
Motivos que acenderam o sinal vermelho
- Com o embargo russo que fechou um ano em junho e a dificuldade de vender para a Argentina, o setor foi obrigado a buscar outros mercados, que remuneram menos;
- Embora a exportação brasileira tenha crescido 5,03% em volume (224,8 mil toneladas) entre janeiro e maio, frente ao mesmo período de 2011, o preço médio caiu 5,47%, para 2,57 mil dólares a t;
- No acumulado parcial de junho, a média de R$ 1,82 o quilo, recebida por suinocultores da Serra, recuou 11,2% em relação ao mesmo período de 2011;
- O preço pago ao produtor pelo quilo vivo, que vai de R$ 1,60 a R$ 1,90, não cobre o custo produtivo, de R$ 2,60;
- O valor da tonelada do farelo de soja dobrou nos últimos 12 meses e chega a R$ 1,1 mil;
- Produtores querem PGPM para carne suína, liberação extra-limite de crédito de custeio de R$ 1,2 milhão e inclusão da suinocultura no PL 2092/2007, que trata da reestruturação do passivo do campo. Além disso, pedem criação de fundo garantidor e leilão de VEP de milho do Centro-Oeste para os estados da Região Sul e São Paulo.
Correio do Povo


 








Mais Notícias







Anterior | 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 151 152 153 154 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176 177 178 179 180 181 182 183 184 185 186 187 188 189 190 191 192 193 194 195 196 197 198 199 200 201 202 203 204 205 206 207 208 209 210 211 212 213 214 215 216 217 218 219 220 221 222 223 224 225 226 227 228 229 230 231 232 233 234 235 236 237 238 239 240 241 242 243 244 245 246 247 248 249 250 251 252 253 254 255 256 257 258 259 260 261 262 263 264 265 266 267 268 269 270 271 272 273 274 275 276 277 278 279 280 281 282 283 284 285 286 287 288 289 290 291 292 293 294 295 296 297 298 299 300 301 302 303 304 305 306 307 308 309 310 311 312 313 314 315 316 317 318 319 320 321 322 323 324 325 326 327 328 329 330 331 332 333 334 335 336 337 338 339 340 341 342 343 344 345 346 347 348 349 350 351 352 353 354 355 356 357 358 359 360 361 362 363 364 365 366 367 368 369 370 371 372 373 374 375 376 377 378 379 380 381 382 383 384 385 386 387 388 389 390 391 392 393 394 395 396 397 398 399 400 401 402 403 404 405 406 407 408 409 410 411 412 413 414 415 416 417 418 419 420 421 422 423 424 425 426 427 428 429 430 431 432 433 434 435 436 437 438 439 440 441 442 443 444 445 446 447 448 449 450 451 452 453 454 455 456 457 458 459 460 461 462 463 464 465 466 467 468 469 470 471 472 473 474 475 476 477 478 479 480 481 482 483 484 485 486 487 488 489 490 491 492 493 494 495 496 497 498 499 500 501 502 503 504 505 506 507 508 509 510 511 512 513 514 515 516 517 518 519 520 521 522 523 524 525 526 527 528 529 530 531 532 533 | Seguinte


Fale Conosco

(44) 3220-1550


Rua Piratininga, 391 - Edifí­cio Lavoura - Fax (44) 3220-1571 - CEP 87013-100

Maringá - Brasil


 
Via Site