Área de Associados


X    fechar
Webmail


X    fechar
Webmail


X    fechar
Extensões de Base
X    fechar


Notícias

08 de Outubro de 2019

Paraná se consolida como segundo maior produtor de leite do país


Competência dos pecuaristas, apoio do SENAR-PR e investimentos em genética, alimentação, sanidade e gestão explicam salto de produção e produtividade

Há alguns anos a competência dos pecuaristas paranaenses é responsável por um salto na produção leiteira do Estado. Hoje, o Paraná ocupa a segunda posição no ranking nacional de produção de leite, atrás apenas de Minas Gerais, líder na atividade com tradição secular neste tipo de produção.

De acordo com dados da Pesquisa da Pecuária Municipal do IBGE, o Paraná subiu uma posição no ranking nacional do leite em 2015, quando ficou à frente do Rio Grande do Sul em volume produzido. De lá para cá, o Estado vem se mantendo na vice-liderança todos os anos.

Os dados mais recentes, de 2018, consolidam o Paraná na segunda colocação com a produção de 4,37 bilhões de litros, atrás de Minas Gerais com 8,93 bilhões de litros, e à frente do Rio Grande do Sul, que produziu 4,24 bilhões de litros.

Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab), a atividade representou 7% do Valor Bruto da Produção (VBP) Agropecuária do Estado em 2018, quarta colocação entre as atividades do agronegócio, e respondendo por R$ 5,88 bilhões.

Em relação à produtividade, o Paraná também se destaca. Em 2018 ficou na terceira colocação nacional com uma média de 3.225 litros por vaca por ano. Santa Catarina é a campeã neste quesito, com média de 3.799 litro/vaca/ano, e Rio Grande do Sul em segundo com 3.441 litros/vaca/ano. Neste critério, Minas Gerais não se destaca tanto, com produtividade de 2.839 litros/vaca/ano, ficando na quarta colocação.

Frente a estes dados, a região Sul se destaca das demais, tanto em produção quanto em produtividade. Nos últimos 20 anos de produção leiteira, os Estados do Sul registraram um grande salto em produção e produtividade, consolidando a região como a principal produtora, respondendo por 34,2% do total, desbancando a tradicional liderança da região Sudeste. Para efeito de comparação, entre 1998 e 2018, a produção de leite aumentou 169% no Paraná, enquanto em Minas Gerais foi de 57%.

Diferencial

Mas afinal, qual o diferencial paranaense? Por que o Estado apresenta resultados tão díspares em relação aos demais de outras regiões? De acordo com o técnico do Departamento Técnico e Econômico (DTE) da FAEP Guilherme Souza Dias, o bom desempenho dos pecuaristas paranaenses de leite está calcado em quatro pilares fundamentais: nutrição, genética, sanidade e gestão.

“O roteiro de uma produção bem-sucedida envolve investimentos em alimentação, rebanhos melhorados geneticamente, implantação de tecnologias produtivas, políticas públicas, consolidação do parque industrial e capacitação rural”, explica Dias.

Somam-se a estas condições outros fatores de ordens cultural e regional que também ajudam a produção paranaense a prosperar. “Nossa agropecuária é fundamentada na pequena propriedade, alicerçada nos tradicionais valores de cooperação e na intimidade com o ofício de produzir leite, herdada dos imigrantes europeus. Também temos condições climáticas que permitem conforto às raças leiteiras especializadas e produção de alimentos de qualidade no inverno e no verão”, explica o técnico da FAEP.

Qualificação

Dentro desta equação, cujo resultado é a produtividade, o SENAR-PR é peça-chave. Desde 1996, quando a entidade passou a ofertar cursos nesta área, já foram realizados 9.680 eventos (cursos, treinamentos, etc.) nas seguintes formações: “Avaliação da conformação ideal de vacas leiteiras”, “Boas práticas na propriedade leiteira”, “Casqueamento de bovinos de leite”, “Inseminação artificial de bovinos”, “Manejo e Ordenha”, “Operação e manutenção de ordenhadeira mecânica”, “Qualidade do leite – laticínios” e “Seminário sobre qualidade do leite”, que somados tiveram 130.374 concluintes.

Essa conta não considera outros cursos do SENAR-PR que não são da área específica da pecuária leiteira, mas se aplicam diretamente a esta atividade, como “Reforma de Pastagens”, “Manejo de Pastagens”, entre outros.

Além dos cursos oferecidos em campo, também existem outros ofertados no Centro de Treinamento Pecuário (CTP), localizado em Castro, na região dos Campos Gerais, como um curso de “Manejo de gado de leite” voltado para produtores e outro para funcionários, e o curso de “Inseminação artificial”, que além o CTP, são ofertados em centros credenciados em Prudentópolis (Sudoeste), Assaí (Norte Pioneiro) e Francisco Beltrão (Sudoeste).

A presença do CTP em Castro não é gratuita. O município marcado por forte presença da imigração holandesa é o maior produtor de leite do Brasil e consequentemente também do Paraná, com produção de 292 milhões de litros em 2018, segundo o IBGE. Sua vizinha Carambeí vem em segundo lugar no ranking estadual com 180,2 milhões de litros e Cascavel, no Oeste, em terceiro, com 83,3 milhões de litros.

“Quando um produtor quer melhorar sua produção, ele vai visitar Castro e Carambeí, referência para o Estado. A genética desta região também se multiplica nos outros municípios produtores”, observa o consultor da área de leite da B&M Consultoria, José Manoel Mendonça.

Segundo Mendonça, é possível notar uma especialização cada vez maior dos pecuaristas paranaenses, que vêm buscando práticas de manejo mais modernas e investindo em genética para aprimorar seus resultados. “O Paraná também é um excelente produtor de alimentos, que é a chave para produção de leite. Além da produção de milho, que é um insumo importantíssimo, o pecuarista de leite está se tornando um especialista em fazer silagem, garantindo produção alta tanto no inverno quanto no verão”, avalia.

Na opinião do consultor, investimentos em equipamentos mais modernos são importantes, porém, nada substitui o bom manejo dos animais. “Se o produtor tiver o manejo correto e fizer tudo certinho, terá leite de qualidade. Aí não tem tamanho, vai ter qualidade sendo pequeno médio ou grande [produtor]”, sentencia.

Conseleite colabora para o desenvolvimento fora da porteira

Se dentro da porteira o pecuarista de leite do Paraná tem encontrado boas condições de produção, com oferta de cursos e uso de novas tecnologias, fora da porteira também foi criado um bom ambiente para que a atividade prosperasse.

Uma das ferramentas que contribuiu para esta harmonia é o Conselho Paritário Produtores/Indústrias de Leite do Estado do Paraná (Conseleite-PR), que reúne representantes dos produtores de leite e das indústrias de laticínios do Estado, com objetivo de encontrar soluções conjuntas para problemas comuns.

O Conseleite utiliza uma metodologia criada pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), que considera parâmetros de qualidade e volume do leite entregue ao laticínio, além dos preços no atacado dos produtos lácteos, para estabelecer um preço de referência para o leite produzido no Estado. Desde 2003 o preço de referência do leite no Estado é publicado mensalmente.

“Nesses 16 anos de aplicação da metodologia do Conseleite, indústrias e produtores paranaenses vêm cultivando um ambiente saudável de comercialização, com mais clareza, transparência e confiança, focado na busca de crescimento harmônico para o setor”, avalia o presidente do Conseleite e assessor da presidência da FAEP, Ronei Volpi.

Outro fator que possibilitou maior dinamismo e organização ao ambiente de produção foi a criação da Aliança Láctea Sul Brasileira. Em 2014, os governadores do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul assinaram um ato para criação da entidade, que tem por objetivo harmonizar as relações entre os entes que integram esta cadeia produtiva nos três Estados do Sul, implementação de políticas e iniciativas conjuntas, utilizando as estruturas organizacionais já existentes.

Dentre as ações encampadas pela Aliança Láctea estão a consolidação da região Sul como eixo produtor em relação ao mercado brasileiro, sua preparação para se tornar um player global e a harmonização das estratégias de defesa sanitária entre os três Estados do Sul. A entidade tem entre seus objetivos a transformação da região Sul na “meca” do Leite no Brasil, capaz de abastecer o mercado interno e gerar excedente para a exportação. Hoje, o país precisa importar leite para suprir a demanda interna, porém na região Sul existe autossuficiência, com excedente para venda do produto em outros Estados.

Fonte: FAEP







Mais Notícias







Anterior | 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 151 152 153 154 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176 177 178 179 180 181 182 183 184 185 186 187 188 189 190 191 192 193 194 195 196 197 198 199 200 201 202 203 204 205 206 207 208 209 210 211 212 213 214 215 216 217 218 219 220 221 222 223 224 225 226 227 228 229 230 231 232 233 234 235 236 237 238 239 240 241 242 243 244 245 246 247 248 249 250 251 252 253 254 255 256 257 258 259 260 261 262 263 264 265 266 267 268 269 270 271 272 273 274 275 276 277 278 279 280 281 282 283 284 285 286 287 288 289 290 291 292 293 294 295 296 297 298 299 300 301 302 303 304 305 306 307 308 309 310 311 312 313 314 315 316 317 318 319 320 321 322 323 324 325 326 327 328 329 330 331 332 333 334 335 336 337 338 339 340 341 342 343 344 345 346 347 348 349 350 351 352 353 354 355 356 357 358 359 360 361 362 363 364 365 366 367 368 369 370 371 372 373 374 375 376 377 378 379 380 381 382 383 384 385 386 387 388 389 390 391 392 393 394 395 396 397 398 399 400 401 402 403 404 405 406 407 408 409 410 411 412 413 414 415 416 417 418 419 420 421 422 423 424 425 426 427 428 429 430 431 432 433 434 435 436 437 438 439 440 441 442 443 444 445 446 447 448 449 450 451 452 453 454 455 456 457 458 459 460 461 462 463 464 465 466 467 468 469 470 471 472 473 474 475 476 477 478 479 480 481 482 483 484 485 486 487 488 489 490 491 492 493 494 495 496 497 498 499 500 501 502 503 504 505 506 507 508 509 510 511 512 513 514 515 516 517 518 519 520 521 522 523 524 525 526 527 528 529 530 531 532 533 | Seguinte


Fale Conosco

(44) 3220-1550


Rua Piratininga, 391 - Edifí­cio Lavoura - Fax (44) 3220-1571 - CEP 87013-100

Maringá - Brasil


 
Via Site