Área de Associados


X    fechar
Webmail


X    fechar
Webmail


X    fechar
Extensões de Base
X    fechar


Notícias

08 de Outubro de 2019

MP do Agro melhora condições de operação do crédito rural


Conjunto de medidas proporciona competitividade entre instituições e pode colocar mais recursos à disposição do produtor

O governo federal editou a Medida Provisória (MP) 897/19, que complementa as condições estabelecidas no Plano Safra 2019/20, trazendo impacto direto no crédito para produtores rurais. Segundo o secretário de Política Agrícola do Ministério da Economia, Rogério Boueri, a nova normatização “vai possibilitar a alocação de R$ 5 bilhões a mais de crédito rural”. Chamada de MP do Agro, o documento foi publicado no Diário Oficial da União do dia 2 de outubro. Para que passem efetivamente a valer, as determinações ainda precisam passar por regulamentação específica.

“Nós vemos com bons olhos esses lançamentos, essa ampliação de mercado. Como não há recursos suficientes, essas medidas colocam o mercado à disposição das políticas públicas. É a inciativa privada contribuindo para o desenvolvimento rural”, diz o coordenador do Departamento Técnico Econômico (DTE) da FAEP, Jefrey Albers.

Essencialmente, a MP contempla ações que podem ser divididas em três grupos. O primeiro, com medidas destinadas à criação de condições que implicam na redução das taxas de juros, a partir da ampliação de crédito rural e da melhoria das garantias oferecidas pelos produtores nas operações.

O segundo grupo compreende a expansão do financiamento do agronegócio com recursos livres por meio do mercado de capitais. Neste conjunto, estão previstas medidas que modernizam Cédula do Produto Rural (CPR), títulos do agronegócio e outros títulos bancários.

No terceiro bloco, estão previstas regras que, segundo o governo federal, melhoram a competição do crédito rural. Entre essas medidas, estão a possibilidade de subvenção à construção e expansão de armazéns, com a destinação de até R$ 200 milhões até junho de 2020 para este tipo de financiamento.

Entre as medidas previstas, Albers destaca a possibilidade de todas as instituições financeiras que operam crédito rural terem a prerrogativa de equalizar as taxas de juros. Na avaliação do técnico da FAEP, isso deve favorecer a competitividade e implicar em melhores condições. “É um passo importante, porque antes só os bancos públicos e cooperativas de créditos podiam fazer essa equalização. É uma ampliação de mercado que pode trazer impacto positivo”, observa.

Outro ponto que merece destaque é a possibilidade de o produtor poder desmembrar sua propriedade para oferecer como garantia na tomada de crédito rural. Outros elementos são definições de operação de créditos, mas que ainda precisam ser regulamentadas. “De modo geral, a MP faz cumprir os objetivos do governo de deixar o governo mais autônomo na disponibilidade de recursos. As novas fontes que estão sendo criadas, as novas garantias que dão segurança na tomada de crédito facilitam o mercado. Isso deve implicar num volume maior à disposição, porque as instituições passam a ter maior interesse neste setor”, aponta Albers.

Veja as principais medidas:

Fundo de Aval Fraterno

 De acordo com a medida, os produtores poderão formar associações, criando um fundo (Fundo de Aval Fraterno) para ter acesso ao crédito rural. Com isso, os produtores terão garantias adicionais para quitar as dívidas agrícolas e para reestruturar seus negócios. O aval coletivo será dado pelos produtores associados, por integrantes da cadeia produtiva, como fornecedores de insumos, beneficiadores de produtores agropecuários e pelas instituições financeiras.

Patrimônio de afetação

A MP permite que o produtor desmembre sua propriedade para dar como garantia em operações de crédito, o que permite ampliação do acesso aos recursos financeiros e melhora a negociação do financiamento. Até então, o produtor precisava oferecer todo o imóvel como garantia, o que, na maioria dos casos, tinha um valor superior ao financiamento.

Cédula Imobiliária Rural

A partir do desmembramento previsto no patrimônio de afetação, o produtor cria a chamada Cédula Imobiliária Rural (CIR). Esta será emitida pelos proprietários rurais e poderá ser negociada no mercado de títulos e valores mobiliários, com acompanhamento do Banco Central.

Taxas de juros

A partir de agora, todas as instituições financeiras que operam crédito rural poderão equalizar as taxas de juros dos financiamentos. Antes, apenas bancos públicos, bancos cooperativos e confederações de cooperativas de crédito podiam equalizar as taxas. O objetivo da medida e estimular a competitividade entre as instituições, o que poderia reduzir as taxas de juros e implicar em condições mais favoráveis aos produtores rurais.

Títulos Os títulos do agronegócio e a Cédula do Produto Rural (CPR) agora podem ser referenciados em moeda estrangeira, como o dólar. A intenção é de que a medida aprimore o mercado de crédito, flexibilizando as condições de operação.

Fonte: FAEP







Mais Notícias







Anterior | 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 151 152 153 154 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176 177 178 179 180 181 182 183 184 185 186 187 188 189 190 191 192 193 194 195 196 197 198 199 200 201 202 203 204 205 206 207 208 209 210 211 212 213 214 215 216 217 218 219 220 221 222 223 224 225 226 227 228 229 230 231 232 233 234 235 236 237 238 239 240 241 242 243 244 245 246 247 248 249 250 251 252 253 254 255 256 257 258 259 260 261 262 263 264 265 266 267 268 269 270 271 272 273 274 275 276 277 278 279 280 281 282 283 284 285 286 287 288 289 290 291 292 293 294 295 296 297 298 299 300 301 302 303 304 305 306 307 308 309 310 311 312 313 314 315 316 317 318 319 320 321 322 323 324 325 326 327 328 329 330 331 332 333 334 335 336 337 338 339 340 341 342 343 344 345 346 347 348 349 350 351 352 353 354 355 356 357 358 359 360 361 362 363 364 365 366 367 368 369 370 371 372 373 374 375 376 377 378 379 380 381 382 383 384 385 386 387 388 389 390 391 392 393 394 395 396 397 398 399 400 401 402 403 404 405 406 407 408 409 410 411 412 413 414 415 416 417 418 419 420 421 422 423 424 425 426 427 428 429 430 431 432 433 434 435 436 437 438 439 440 441 442 443 444 445 446 447 448 449 450 451 452 453 454 455 456 457 458 459 460 461 462 463 464 465 466 467 468 469 470 471 472 473 474 475 476 477 478 479 480 481 482 483 484 485 486 487 488 489 490 491 492 493 494 495 496 497 498 499 500 501 502 503 504 505 506 507 508 509 510 511 512 513 514 515 516 517 518 519 520 521 522 523 524 525 526 527 528 529 530 531 532 533 | Seguinte


Fale Conosco

(44) 3220-1550


Rua Piratininga, 391 - Edifí­cio Lavoura - Fax (44) 3220-1571 - CEP 87013-100

Maringá - Brasil


 
Via Site