Área de Associados


X    fechar
Webmail


X    fechar
Webmail


X    fechar
Extensões de Base
X    fechar

Boletim Eletrônico

11 de Junho de 2018

Em nota, governo lamenta sobretaxa da China a frango brasileiro

Fonte do governo brasileiro disse que a decisão chinesa foi recebida com muita preocupação, pois tem “pouca consistência do ponto de vista técnico”

Em nota conjunta dos ministérios das Relações Exteriores, Agricultura e Indústria e Comércio Exterior, o Brasil disse que “lamenta” a decisão da China de impor tarifas de até 34% de carne de frango brasileira. O texto diz que as exportações do produto complementam a produção daquele país, beneficiando seus consumidores.

Na noite desta quinta-feira, 7, o governo foi surpreendido com a decisão da China de ampliar as tarifas para o frango de corte brasileiro a partir deste sábado, 9. Segundo Pequim, a decisão foi tomada em caráter preliminar, sobe a alegação que a indústria chinesa foi substancialmente prejudicada pelas importações de produto brasileiro.

A medida deve prejudicar os negócios externos de gigantes nacionais dos alimentos como a Seara, controlada pela JBS, e a BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão.

Fonte do governo brasileiro disse que a decisão chinesa foi recebida com muita preocupação, pois tem “pouca consistência do ponto de vista técnico”. Os principais elementos que justificariam a adoção de uma medida antidumping estão ausentes.

O principal argumento do Brasil é que as exportações de frango do Brasil não prejudicaram as empresas concorrentes locais, que seria um requisito obrigatório para a aplicação da medida antidumping. Pelo contrário, as empresas chinesas cresceram, aumentaram sua capacidade instalada, elevaram sua lucratividade e até subiram o preço do frango comercializado no mercado interno.

“A participação das importações brasileiras representa cerca de 5% do mercado da China e elas, em nenhum momento, foram responsáveis por deslocar as vendas internas de produto chinês, que cresceram continuamente ao longo do período da investigação”, frisa a nota.

Esse argumento foi levado à China em recentes visitas dos ministros Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Blairo Maggi (Agricultura) e Marcos Jorge (Indústria, Comércio Exterior e Serviços). Também foi formalizado em documento. Mesmo assim, o antidumping provisório foi autorizado.

Fonte: Gazeta do Povo.


Mais Notícias

Fale Conosco

(44) 3220-1550


Rua Piratininga, 391 - Edifí­cio Lavoura - Fax (44) 3220-1571 - CEP 87013-100

Maringá - Brasil


 
Via Site