Área de Associados


X    fechar
Webmail


X    fechar
Webmail


X    fechar
Extensões de Base
X    fechar


Boletim Eletrônico

17 de Setembro de 2019

Comissão Técnica aborda próximos passos para conquista de novo status sanitário


Vacinação contra a febre aftosa no Estado deve ser suspensa oficialmente pelo Mapa em novembro

A Comissão Técnica de Bovinocultura de Corte da FAEP aborda, na manhã desta segunda-feira (16), em Curitiba, os próximos passos na conquista do reconhecimento do Paraná como área livre de febre aftosa sem vacinação. O assessor da diretoria da Federação Ronei Volpi reforçou que a vacinação contra a doença no Estado deve ser suspensa oficialmente pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em novembro. Com isso, o Paraná teria condições de obter o reconhecimento internacional em 2021.

“O dia da suspensão oficial da vacinação ainda não está definido. Nós defendemos que seja 30 de novembro, que é o dia que expira a última vacinação, que foi feita em maio”, disse Volpi. “O Paraná virou referência no Brasil de como deve ser a participação da iniciativa privada neste processo, com a participação do Fundepec [Fundo de Desenvolvimento Agropecuário do Estado do Paraná]. Nós somos, mesmo, o Estado que tem a melhor relação entre os entes públicos e a iniciativa privada”, acrescentou.

O coordenador do Centro de Informação do Agronegócio da Universidade Federal do Paraná UFPR (CIA-UFPR), Paulo Rossi Júnior, falou das perspectivas de mercado que o novo status sanitário trará ao Estado. O grande desafio é acessar mercados mais sofisticados, que pagam mais pela arroba. Apesar disso, este potencial deve ser limitado. Para o professor e pesquisador, o mercado interno continuará a ser determinante para a formação de preço – já que absorve por cerca de 80% da produção de bovinos do Paraná.

“Exportar para a China é bom, mas nós temos que buscar o mercado da carne nobre. Nós temos uma coisa diferente na nossa mão”, disse Rossi Junior. “Mas temos que observar que a exportação é importante, mas não faz nenhum estardalhaço em termos de preço. O que forma preço é o mercado interno”, acrescentou.

Na programação

Realizada na sede da FAEP, em Curitiba, a reunião da Comissão Técnica vai contemplar ainda uma apresentação sobre movimentação de bovinos vivos no Paraná e um relato sobre uma visita técnica ao Porto de Antonina – ambos, feitos pelo zootecnista Guilherme Souza Dias, assessor técnico da Comissão. Além disso, o economista Luiz Eliezer Ferreira deve apresentar uma análise do impacto que o surto de peste suína africana na Ásia causou nas exportações de carne bovina do Brasil. A programação conta, ainda, com uma palestra sobre segurança no trabalho da pecuária de corte, apresentada por José Valdir Brescansin, do Sindicato Rural de Maringá.

Fonte: FAEP


Mais Notícias



Fale Conosco

(44) 3220-1550


Rua Piratininga, 391 - Edifí­cio Lavoura - Fax (44) 3220-1571 - CEP 87013-100

Maringá - Brasil


 
Via Site